Bibliografia de Apoio

Queridas Lobas A linguagem simbólica e poética utilizada pela Clarissa Pinkola Estés no livro “Mulheres que correm com os Lobos” pode ser um tanto confusa em uma primeira leitura. Mas cada vez que mergulhamos novamente em seus capítulos, retornamos com uma nova compreensão ou novos insights. Uma bibliografia de apoio pode ajudar no entendimento de vários aspectos apresentados no livro, lançando luz sobre pontos aparentemente obscuros e expandindo conhecimentos. A

O Quartzo Faden e as Iniciações

Quantas de nós passamos por momentos em que nos sentimos fragmentadas, quebradas… Em que nos resta apenas a fé (se se resta). Momentos em que nos encontramos encurraladas por nós mesmas e nossos próprios paradigmas, contratos, limitações, medos, angústias (sendo predadoras da nossa própria psique). Momentos em que nos damos conta de que nos permitimos sermos invadidas por situações, pessoas, sentimentos, pensamentos que nos sugam e nos destroem pouco a

Ciclos Femininos e o Resgate da Mulher Selvagem

Entender os próprios ciclos é parte importante do processo de retomada da vida selvagem, da nossa própria essência. Durante milênios nos fizeram acreditar que o nosso tempo é linear: nascemos, crescemos, vivemos e morremos. Compramos essa roubada e agora tentamos recuperar, a duras penas, o verdadeiro significado do nosso tempo, muito mais rico e complexo. Nosso tempo é cíclico. Somos, literalmente, mulheres de fases. Quantas aqui sabem em que fase

Cuide de suas Sementes sob as asas de Ísis – Devaneios da Deusa

A mulher aprendeu com o processo da gestação a ter paciência de aguardar durante todo o processo da gravidez até que, naturalmente, cheque o momento do nascimento. Os homens já não possuem, naturalmente, esta característica, pois diante de um problema empunham uma faca (espada, qualquer arma), montam seu cavalo (bicicleta, carro) e partem para conquistar aquilo que acha que deve. A mulher, aguarda com amor, espera que algo de seu interior lhe oriente